PESQUISE

Carregando...

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Relatório de Estágio Supervisionado do Ensino Fundamental


1- INTRODUÇÃO
Relatório de investigação apresentado à disciplina Estágio Supervisionado de Educação Infantil, ministrada pela docente M.Sc. Amélia Mesquita, e solicitado como requisito avaliativo parcial aos discentes do curso de Pedagogia, da Universidade Federal do Pará, do Campus universitário de Bragança,em período letivo intensivo.

A execução do estágio se deu na Escola Municipal de Ensino Fundamental Professora Julia Quadros Peinado, localizada na Rodovia Bragança/Capanema, 553, no bairro Vila da Celpa, no município de Bragança-PA.

A atividade de estágio foi executada em quatro dias, sendo três de investigação em sala de aula e um dia junto ao corpo gestor e administrativo da escola. O período de investigação na escola se deu entre os dias 14 e 18 do mês de maio de 2012.

Visou-se neste estágio diagnosticar de que forma se dá a atuação dos professores nas séries do primeiro e segundo ciclo do Ensino Fundamental, em vista de que a formação destes acadêmicos inclui também a atuação nos referidos ciclos. Visou-se, ainda, prever a necessidade de intervenção pedagógica nas séries investigadas, a fim de contribuir com a escola, e, sobretudo, com os professores que receberam os estagiários em suas aulas.

Esse aluno necessita de um professor bem informado e preparado para trabalhar conteúdos e dar conta das exigências de uma educação moderna e atualizada, em um mundo globalizado, que desperte o interesse e a vontade da criança apropriar-se de novos conhecimentos e experiências positivas, a alegria da convivência e descobertas de saberes, valores e lições de cidadania que a acompanharão pela vida, tornando-a cidadã instruída, consciente de seus direitos e t de seus deveres. Que saiba conviver e respeitar a diversidade, a natureza e faça pleno uso dos meios de informação e tecnologias disponíveis.

2- FUNDAMENTAÇÕES TEÓRICAS
Tem-se em consideração que no ensino fundamental o processo de ensino-aprendizagem deve se dá de maneira diferenciada, respeitando as fases de desenvolvimento em que as crianças se encontram, assim, há necessidade de versar uma prática educativa que apresente recursos atrativos às crianças, uma vez que estes elementos são inerentes ao “mundo” da criança

Tratar da atuação do pedagogo nas salas de aula requer antes enfatizar a importância dos conhecimentos sobre as teorias da psicologia, como também sobre ludicidade e didática na educação.

Assim, considera-se importante abordar algumas contribuições de Piaget, no que toca à questão da interação da criança com o ambiente, tendo em vista que é essa interação que faz com que se construam as estruturas mentais da criança, que por sua vez tende a adquirir maneiras de fazê-las funcionar. O eixo central nesse ponto, portanto, é a interação organismo-meio, de modo que essa interação acontece através de dois processos simultâneos: a organização interna e a adaptação ao meio, funções essas exercidas pelo organismo ao longo da vida.

Piaget elabora uma teoria do conhecimento e desenvolve muitas investigações cujos resultados são utilizados por psicólogos e pedagogos, e reside nesse foco, de resultados e contribuições, que este estudo está voltado.

Assim, falar sobre essas teorias de Piaget implica em colher os resultados de seus estudos como contribuição para formação de homens "criativos, inventivos e descobridores", uma vez que segundo ele o homem é resultado de um processo de desenvolvimento que inicia na infância, e de tal processo devem resultar pessoas críticas e ativas, as quais necessitam viver em busca constante da construção de conhecimento e da autonomia.

Segundo Piaget:
“A inteligência é uma adaptação. Para aprendermos as suas relações com a vida, em geral, é preciso, pois definir que relações com a vida, em geral, é preciso, pois redefinir que relações existem entre o organismo e o meio ambiente. Com efeito, a vida é uma criação contínua de formas cada vez mais complexas e o estabelecimento de um equilíbrio progressivo entre essas formas e o meio...” (PIAGET, 1982, p.18)
Essa teoria Piagetiana foi eleita para embasamento neste trabalho em vista das condições físicas do espaço de algumas salas de aula improvisadas, em decorrência da reforma predial da Escola Julia Quadros.

O lúdico aplicado à prática pedagógica não apenas contribui para a aprendizagem da criança, como possibilita ao educador tornar suas aulas mais dinâmicas e prazerosas. Cunha (1994) ressalta que a brincadeira oferece uma “situação de aprendizagem delicada”, isto é, o educador precisa ser capaz de respeitar e nutrir o interesse da criança, dando-lhe possibilidades para que envolva em seu processo, ou do contrário perde-se a riqueza que o lúdico representa.

Educação corresponde, pois, a toda modalidade de influências e inter-relações que convergem para a formação de traços de personalidade social e do caráter, implicando uma concepção de mundo, idéias, valores, modos de agir, que se traduzem em convicções ideológicas, morais, políticas, princípios de ação frente a situações reais e desafios da vida prática. Neste sentido, educação é instituição social que se ordena no sistema educacional de um país, num determinado momento histórico; é um produto, significando os resultados obtidos da ação educativa conforme propósitos sociais e políticos pretendidos; é processo por consistir de transformação sucessiva tanto no sentido histórico quanto no de desenvolvimento da personalidade.LIBÂNEO (1994) ”educação escolar constitui-se num sistema de instrução e ensino com propósitos intencionais, práticas sistematizadas e alto grau de organização, ligado intimamente ás demais práticas sociais”.
3- EXECUÇÕES DO ESTÁGIO
3.1- Etapas do estágio
No dia 15 de Maio fomos à escola a fim de apresentarem-se à gestão e coordenação da escola, e para a entrega do ofício. Sendo que atividade de estágio foi executada em quatro dias, a partir do dia 15 a 18 de Maio de 2012, neste primeiro dia fizemos a execução da primeira etapa do estágio, sobre as características organizacionais e administrativas da escola.

Segundo o Projeto Político Pedagógico, é uma escola identificada com o processo de construção de uma sociedade mais justa. Como um espaço em que a prática pedagógica é entendida como uma prática de vida, de todos e com todos, na perspectiva de formar cidadãos e cidadãs que integrem e contribuam para sua comunidade. Uma escola democrática, competente e comprometida com a aprendizagem significativa do aluno, buscando transformar informações em saberes necessários à vida dos alunos.

A escola possui atualmente, aproximadamente 800 alunos, matriculados nos três turnos de funcionamento, 50 professores, 07 funcionários administrativos, englobando secretários, auxiliares e monitor, e 07 funcionários de manutenção e limpeza (merendeiras e serventes).

Nos dias16, 17 e 18 de Maio executamos a segunda etapa do estágio, nesses dias ocorreram às investigações em sala de aula, que estavam locadas na Arena Soccer do Birré, um espaço improvisado para atender 4 turmas da escola, sendo duas turmas de 3º/9 e duas de 5º/9. De maneira que a equipe de estagiários dividiu-se em 3 duplas, duas duplas executaram a investigação nas turmas de 3°/9 e outra dupla em uma das turmas de 5º/9.

3.2. Relatos de Investigação.

3.2.1 Investigação executada na 1° turma.
A dupla de estagiários da 1° turma fez investigação em uma turma de 3º/9, a referida turma possui um total de 25 alunos, sendo 1 especial. Vale ressaltar que antes de as turmas estarem locadas na Arena, as duas turmas de 3º/9 dispostas no local formavam uma única turma de 50 alunos, e as professora desta, dispunha-se anteriormente como professora auxiliar.

“No primeiro dia a professora ministrou aulas de Geografia e Matemática, cujos conteúdos foram “Formação Geográficas” e Pares e Ímpares”. No segundo dia a aula ministrada foi de Ciências, com o conteúdo “Higiene e Saúde”. No terceiro dia a professora ministrou aula de Língua Portuguesa, trabalhando “interpretação de texto”.

Vale ressaltar que como a escola disponibiliza o horário intermediário, grande parte do horário das aulas é comprometido, tendo em vista que o a entrada dos alunos é as 07h00min da manhã, o recreio é as 9h00min e a saída as 10h00min. Assim, muito tempo é gasto para a organização da turma e inicio efetivo da aula.

A professora é licenciada em Geografia, mas tem vínculo efetivo pelo magistério, foi possível perceber que a relação professor-aluno é estável, embora a professora admita ter mais aptidão em lhe dar com alunos de faixa etária maior.

Não se pode deixar de mencionar que o ambiente compromete a qualidade das aulas, uma vez que o espaço muito apertado não permite que a professora acompanhe de perto as atividades dos alunos, além da dificuldade de concentração e constante dispersão por parte das crianças. Nesse sentido, é possível relacionar as dificuldades de aprendizagem dos alunos às condições desfavoráveis do ambiente, dessa maneira, a situação percebida na sala de aula investigada, leva a refletir teoria Piagetiana.

Segundo Piaget, a adaptação só é bem sucedida quando o organismo atinge o equilíbrio entre, por um lado à assimilação dos elementos da realidade exterior e, por outro, a acomodação a essa realidade dos esquemas internos de assimilação. Assim é possível afirmar que as condições a que os alunos estão expostos compromete consideravelmente a aprendizagem, o que foi percebido, sobretudo, nas atividades matemáticas.

Dentre os conteúdos, notou-se que a grande maioria da turma apresenta dificuldades com Sistema Numérico Decimal, esse fato pode ser atribuído a ausência de recursos diferenciados por parte da professora, uma vez que foi possível notar que o único recurso adotado nas aulas foi quadro e giz.

Assim, apesar de os alunos possuírem o livro didático de matemática, assim como das demais disciplinas, percebeu-se que os mesmos não são utilizados.

Dessa maneira, grande parte do tempo das aulas acaba sendo destinado a copia de conteúdos do quadro. Vale ressaltar que todos os alunos retiram o conteúdo do quadro, embora não saibam interpretar o que copiam. Notou-se também a dificuldade dos alunos nesse sentido, uma vez que grande parte deles necessita de auxilio direto da professora, tanto para compreensão do conteúdo quanto para o desenvolvimento das atividades.

Notou-se, portanto, que a metodologia aplicada não tem contribuído para o desenvolvimento da autonomia e criticidade dos alunos, uma vez que o ensino tem se mostrado uma mera reprodução do conhecimento já sistematizado e transmitido pela professora, em vista que o assunto não é contextualizado e não leva em consideração os conhecimentos prévio dos alunos.
3.2.1 Investigação executada na 2° turma.
A dupla de estagiários da 2° turma, fez investigação em uma turma de 3º/9, a referida turma possui um total de 24 alunos na faixa etária de 7 anos aproximadamente.No primeiro dia a professora ministrou aulas de Matemática, cujo conteúdo ministrado foi Sistema de numeração, Dezenas e Unidades. No segundo dia a aula ministrada foi de Ciências, com o conteúdo “Higiene e Saúde”. No terceiro dia a professora ministrou aula de Língua Portuguesa, trabalhando “interpretação de texto”.

Vale ressaltar que como a escola disponibiliza o horário intermediário, grande parte do horário das aulas é comprometido, tendo em vista que o a entrada dos alunos é as 07h00min da manhã, o recreio é as 9h00min e a saída as 10h00min. Assim, muito tempo é gasto para a organização da turma e inicio efetivo da aula.

Durante a observação, percebemos que a turma apresenta um bom desempenho. No entanto, há três alunos que apresentam dificuldades no que diz respeito a leitura. Diante disso, surgiu a necessidade de passar aos alunos com dificuldades, atividades diferenciadas como, por exemplo, atividade feita nos cadernos dos alunos. Nesse sentido ressalta Zabala:
“Sobre a concepção de aprendizagem, o autor afirma que não é possível ensinarmos sem nos determos nas referências de como os alunos aprendem, chamando a atenção para as particularidades dos processos de aprendizagem de cada aluno (diversidade).” (ZABALA, 1998, p.2)
Em suma, sobre a citação à cima pode-se dizer que o professor tem que levar em consideração a particularidade de cada aluno, no que diz respeito a questão dos processos de aprendizagem, diagnosticando a dificuldade do aluno e posteriormente ministrar o ensino de acordo com sua capacidade de aprendizagem.
3.2.1 Investigação executada na 3° turma.

A dupla de estagiários da 3° turma fez a investigação da turma de 5°/9, a mencionada turma possui 50 alunos com a faixa etária de 10 a 12 anos, sendo que a turma foi dividida em duas, por conta do espaço pequeno. O contato com o professor foi de fácil acesso, pois ele era uma pessoa muito receptível, explicamos pra que à principio só iríamos observar a aula e depois variamos a intervenção.

No primeiro dia o professor ministrou aula de história cujo conteúdo era Capitanias Hereditárias, onde “ observamos a aula de história que durou cerca de três horas aproximadamente com o intervalo de quinze minutos para o recreio”.

No segundo dia ele continuou ministrando a mesma matéria, por conta de ser muito extensa.

Vale ressaltar que por conta da divisão das salas por compensado, as aulas ficavam prejudicadas, os barulhos e objetos que eram atirados pela outra turma dificultavam as aulas do professor, tendo em vista que tirava a atenção dos alunos.

O professor até que se esforçava para lecionar, mas a situação da sala não ajudava muito, o espaço não oferecia o conforto que as crianças precisavam para aprender, sua atenção era direcionada para os colegas do lado e não para a aula que o professor estava ministrando.

Notou-se uma grande dificuldade que os alunos tem para entender a matéria, por conta talvez de poucos recursos trazidos pelo professor, da má locação onde se encontra os alunos ou ainda dos materiais que a escola não dispunha.

Dessa maneira, grande parte do tempo das aulas acaba sendo destinado a copia de conteúdos do quadro. Vale ressaltar que todos os alunos retiram o conteúdo do quadro, embora não saibam interpretar o que copiam. Notou-se também a dificuldade dos alunos nesse sentido, uma vez que grande parte deles necessita de auxilio direto da professora, tanto para compreensão do conteúdo quanto para o desenvolvimento das atividades.

5- CONCLUSÃO

O Estágio Supervisionado é uma parte do currículo muito importante na formação do futuro professor porque é a oportunidade de experimentar e realizar, na prática, o conhecimento teórico adquirido no decorrer da sua formação acadêmica. No entanto, a apreensão e a ansiedade no início são normais, devido a pouca experiência, e a responsabilidade de realizar um bom trabalho. Contudo, a integração com a direção, com as professoras regentes e principalmente com os alunos possibilitou o bom andamento desse estágio.

O estágio como experiência foi uma oportunidade de aprofundar os conhecimentos e a capacidade criativa na resolução dos impasses encontrados durante esse período. É claro que o estágio não foi perfeito, equívocos ocorreram, mas estes também fazem parte do processo de aprendizagem.
REFERÊNCIAS
PIAGET, Jean. O nascimento da inteligência na criança. 4. Ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.
ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Editora Arte Médicas Sul Ltda., 1998.
CUNHA, Nylse Helena. “Brinquedoteca: um mergulho no brincar”. São Paulo: Matese, 1994.
LIBÂNEO, José Carlos. Prática educativa, pedagogia e didática. In: Didática. São Paulo: Cortez, 1994.


UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE BRAGANÇA
FACULDADE DE EDUCAÇÃO- FACED

DOCENTE: AMÉLIA MESQUITA
DISCENTES:
ADRIANO CAXIAS
ANDREIA RODRIGUES
DEUSIMAR VIANA
GLAYCE FERNANDES
GIOVANNE OLIVEIRA
LANNA COSTA








quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Relatório de Estágio de Educação Infantil

Estivemos na Escola Municipal de Ensino Infantil e Fundamental Perpétuo Socorro, com a finalidade de complementarmos as observações feitas nas turmas de pré II, durante a disciplina Educação e Ludicidade, ministrada pela professora Maria Natalina, com um olhar específico ao brincar na educação infantil.

Esta última observação, bem como a regência, foi solicitada na disciplina Estágio Supervisionado em Educação Infantil, ministrada pelas docentes Maria Gorete e Maria Natalina, correspondendo a parte avaliativa disciplinar.

O estágio foi executado em dois dias, 31 de Agosto e 01 de Setembro, no primeiro dia limitamo-nos à observar as aulas nas turmas das professoras Aline e Francisca, sendo que a equipe ficou dividida em dois grupos de três.

Foi possível identificar que na turma 01 (como será chamada a turma da professora Aline), que as aulas são iniciadas apenas apósas oito horas, uma vez que as crianças têm chegado um pouco atrasadas, segundo ela desde que retornaram das férias.

De acordo com a professora há apenas uma desistência na turma, além de uma aluna recebida no segundo semestre. A turma é constituída por vinte e um alunos, sendo que não possui nenhuma criança especial, embora tenha ocorrido um considerável número de faltas.

Acompanhamos toda a rotina da turma pela manhã, desde a entrada, as sete e trinta, à saídaàs onze e quinze. Nesse espaço de tempo notou-se que alunos e professora estabelecem uma boa relação, percebeu-se que as crianças a tratam por professora, o que não anula o respeito e a afetividade. A professora apresenta domínio de classe sem exercer autoritarismo.

Cabe mencionar que fomos muito bem acolhidos, tanto pela direção e professora, quanto pelos alunos. Notou-se que os alunos são bastante ativos, mas não apresentam comportamentos agressivos. Esse fato foi relatado também pela professora, que considera o comportamento das crianças normal para faixa etária.

Nessa turma há um aluno, que apesar de não ser ‘especial’, recebe atendimento de reforço na sala multifuncional da escola, a fim de sanar suas dificuldades de aprendizagem.

No segundo dia, em que nos dirigimos à turma para executar o plano, iniciamos nossas atividades também com atraso, a fim de aguardar que a classe toda chegasse. De inicio fizemos a acolhida dos alunos junto a professora Aline. Posteriormente fizemos uma dinâmica de apresentação, música de acolhida e oração.

Em seguida aplicamos atividades de colagem e pintura (com bandeira do Brasil e figuras representativas da Semana da Independência). As nove e trinta as crianças saíram para o recreio, na volta reservamos um tempo de cinco minutos para organização da turma, seguido de um momento de musicalização e dinâmica com canção Marcha Soldado. Por fim juntamo-nos as duas outras turmas para fazermos a apresentação com fantoches sobre a história da Independência do Brasil.

Já na turma 02 (como será chamada a turma da professora Francisca)

(giovanne, lanna e andréia)

No primeiro momento, a nossa equipe se apresentou a turma pré-II, tendo a frente à professora Francisca, onde passamos a observar o andamento da turma. Apartir desse momento percebemos como deveríamos proceder através das atividades pedagógicas, de maneira que, viesse atender as necessidades das crianças, visto que, a ludicidade foi um dos pontos essenciais para ser trabalhado com a turma, pois proporciona práticas educativas prazerosas, onde as brincadeiras educativas favorecem a liberdade, a alegria, a autonomia, a auto-estima, entre outros fatores.

Durante a observação detectamos que a turma possui um bom desenvolvimento, no que diz respeito, aos aspectos cognitivos, afetivos, psicomotores entre outros. Diante disso, pensamos em atividades viáveis que viessem dar suporte aos seus aspectos desenvolvidos em sala de aula.

No segundo momento, a nossa equipe realizou as atividades de acordo com as necessidades observadas anteriormente na turma pré-II. Onde trabalhamos a musicalidade do A B C, atividades em que as crianças fizeram colagem de pequenos papéis no desenho da bandeira do Brasil,a brincadeira de roda, a marcha representando o desfile da semana da Pátria e, por fim, uma apresentação de teatro com fantoches, tratando da história da Independência do Brasil,objetivando a interatividade da turma entre si e com os estagiários.

Portanto, com a nossa intervenção pedagógica podemos analisar que a turma do pré-II estava bastante animada pelas propostas apresentadas e executadas no momento ideal ao compreenderem o sentido do verdadeiro aprendizado escolar. Aliás, é importante destacar que as crianças fixavam o olhar na medida em que íamos praticar as ações educativas, ou seja, ficavam atentas pelo que era novo e sempre a disposição do trabalho realizado em conjunto.

Com intuito de estimular o desenvolvimento dashabilidades psicomotorase deinteração social por meio de nossas atividades, constatamos, que de uma forma geral, nas duas turmas as crianças corresponderam positivamente às atividades. Considerandoo aspecto motor, cada crianças desempenhou bem seus trabalhos, de acordo com seu nível de desenvolvimento; no aspecto interativo também notamos um bom envolvimento das crianças em todas as dinâmicas aplicadas.

No que diz respeito a concentração consideramos que corresponderam às fases de desenvolvimento em que se encontram, cuja característica é movimentos e conversas. A linguagem oral foi estimulada principalmente com a apresentação dos fantoches, já a linguagem corporal na Canção Marcha Soldado.

Por fim, a afetividade foi demonstrada logo de inicio na dinâmica de apresentação (musical), em que todos se abraçavam.Nesse momento ninguém se manteve afastado, correspondendo bem à expectativa esperada.

É importante ressaltar que na apresentação dos fantoches na turma de pré I que se juntoua outra de pré II para assistir à apresentação, houve pouca concentração, o que se deve à faixa etária em que se encontram. Este pode ser, portanto, um ponto apresentado como negativo.
MUSICALIZAÇÃO
A B C

BIS       (2X)

C B A
Quero falar com você

Passeando pela mata

Fui colher a flor cheirosa

Fui buscar o Alfabeto

Para abraçar os coleguinhas.
Gestores do Estágio:

Adriano Caxias (UFPA)
Andréia Lopes (UFPA)
Deusimar Viana (UFPA)
Giovanne Oliveira (UFPA)
Glayce Fernandes (UFPA)
Lanna Costa (UFPA)
Bragança-PA


quarta-feira, 11 de maio de 2011

Falando Francamente

O ser humano muitas vezes se ver recuado com as dificuldades da vida e acaba se esquecendo de Deus, mas é nas dificuldades e obstáculos que JESUS CRISTO opera, fazendo com que as águas se transformem em vinhos exuberantes ao olho de qualquer pessoa da terra.
Sempre é necessário que o homem passe por várias provas difíceis para que ele possa entender que existe um Deus lá nos altos céus que esta torcendo para que sua criatura saia vencedora nas batalhas terrenas e, principalmente, espirituais. Aliás, esperar e confiar no Deus de Israel é viver cotidianamente muito bem com a vida, com a natureza que Ele criou. E formou tudo que existe nos céus e na terra para que o homem pudesse desfrutar. Mas "a raça humana" é muita rebelde e estar sempre em constante conflito com seu Criador.
Um exemplo, eu, enquanto parte da raça humana vivo em pecado diário, certo que todo homem esta sujeito a pecar, porém como diz o sábio: "errar é humano, mas permanecer no pecado é ser uma pessoa tola e sem qualquer compromisso com Deus", como pode ser o meu caso.
Muitas vezes, eu vivo me perguntando, por que será que sempre estou no pecado mortal e nem faço se quer uma pequena força para buscar a minha libertação dos erros? Será que sou tolo o bastante pra viver nos pecados(nos meus pecados)? Ou será que sou desobediente o bastante pra sequer não fazer o que Deus manda que eu faça? Todas essas perguntas estão pendentes dos meus próprios pensamentos, até por que, se eu fosse inteligente o bastante pensaria o suficiente para não mais cometer os mesmos pecados e fazer o possível para agradar a Deus( JESUS CRISTO), que é misericordioso o suficiente para cuidar e não me fulminar pelas minhas constantes teimosias de continuar no erro.
Sim, quero dizer uma coisa muito importante, "sem DEUS nada sou, mas com Ele posso todas as coisas, pois é Ele que me fortalece"!

terça-feira, 10 de maio de 2011

Conhecimento é Poder


Você sabia quando uma criança já começa a brincar ela já esta conhecendo as coisas a sua volta? pois sim no decorrer de sua fase esta criança vai descobrindo algo novo, indagando seus pais ou quem quer que seja, com intuíto de decodificar os sígnos.
Na vida jovem a sua mente já esta estabelecida de fortes traços do conhecimeto filosófico, científico, se é que ele procura isso, e do senso comum que já vem de sua origem.
De forma natural, este indivíduo possuí um grande acervo bibliográfico em várias áreas, até por que ele vem desde cedo com sede de conhecimento.
Assim, o mundo se torna uma fonte inesgotável de conhecimento, de mistérios e tantas outras realidades curiosas de vida.
Portanto, descobrir o significado de algum objeto, de alguma dúvidaque de repente surgiu em sua cabeça saiba que ficar quieto só trará mais ingnorância pra você e os que estão a sua volta, pois saiba se você tiver a simples curiosidade de pesquisar o significado da incógnita, pode ser de qualquer coisa, você estará abrindo portas de saberes para muitas coisas, que as vezes, você nem imagina.
Logo, conhecer é uma tarefa muito gostosa de se fazer, isso diz que, você estará nadando em tantos horizontes diferentes que poderam e vão lhe possibilitar ter as chaves da sabedoria e, quando acontecer isso é porque você esta indo tão bem nas suas buscas que o conhecimento andará inquestionavelmente ao seu lado de mãos dadas. Aliás é honroso dizer que você detêm um bem que sempre estará em renovação, sempre de cara nova, sabe porquê? o conhecimento nunca fica na mesma posição ideológica, porém, esta em constante conflito, transformação objetivando surgir novos conceitos, novas realidades de idéias e, assim, vai se construindo um novo paradigma que vai abranger o lugar de um outro não mais aceito pelas sociedades em geral.
Pela Igreja Católica estaríamos fixo em uma posição, ou seja, acomodados, mas como o Homem é animal racional, então, ele se inquieta com tudo a sua volta até mesmo com ele, por isso segurar este indivíduo é tá acumulando mais conflitos, mais inquietações e, foi o que aconteceu, houve variação de idéias na obscura idade média, quebrando seus alicerces conceituais. E, logo surgiu novos valores na sociedade que deram origem a novos paradigmas e estes a outros que até hoje temos reflexos destas lutas paradigmáticas. E quem esta no meio disso tudo? o Homem Sapiens Sapiens!
Opnião Própria:
"Pessoalmente, tenho uma confissão pra expor ao público, eu acredito no fundamento mais pregado ao longo do tempo, desde quando foi imposto na terra, sabe quem? JESUS CRISTO! Ele é a razão de meu viver. A Igreja Universal pregou seus ensinamentos de forma, totalmente, equivocada, mas ao final das contas o Homem não deveria se afastar de Deus, por causa do erro da mesma, até por que Ele vem buscar a você, a mim e não os nomes, as pedras, as madeiras, os tijolos, mas você, somente você é quem DEUS se preocupa!"
Acadêmico: GIOVANNE OLIVEIRA, Estudante de Pedagogia pela Universidade Federal do Pará/ UFPA.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Retiro-me para os Rios

Gosto de viver por grandes aventuras sem fim dos mais profundos lugares da vida. O viver significa o Amor pelas coisas mais simples até as mais complexas que DEUS fez para o Ser Humano usufruir de várias formas, mas sem o prejuízo delas.
De certa maneira devemos ter os sonhos direcionado para todo o tipo de rio benéfico, falo de rios que são formosos e sem complicações de prosseguir das pessoas que almejam por dias melhores, e isso pode acontecer através de nossos olhares reflexivos da fuga e ao mesmo tempo da transformação da realidade em momentos de vitórias.
Certo de que os rios trarão novos horizontes para nós caminharmos neles sem qualquer tipo de impedimento ou qualquer atrapalho que nos faça submergir, por que somos sem sombras de dúvidas criaturas inteligentes e devemos utilizar nossa inteligência para o bem que é: sonhar sem medo de ser feliz, lutar sem medo de vencer, persistir sem medo de conquistar e jamais desistir de seus objetivos que mais ânseia.
Tudo passará neste Mundo que vivemos, mas os nossos tesouros que guardamos no fundo dos rios de águas cristalinas não serão dissolvidos com o tempo, pois eles estarão protegidos para sempre em nossas lembranças, em nossas mentes de criança. Logo, é essencial que vivamos em harmonia com os seres, com tudo que DEUS criou para que possamos nadar e mergulhar em rios límpidos e bem transparentes em todo o tempo de vida dos seres da Terra.
Viva com Transparência, Viva mostrando a Importância de vida dos rios!!
([Texto de GIOVANNE OLIVEIRA: Acadêmico da UFPA])

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

CALCULADORA


A calculadora é um instrumento muito importante para toda a sociedade, seja qual for a área da vida. Ela é útil em qualquer repartição pública ou privada e até mesmo em sua casa. Ela possui um valor bastante significativo.
...

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

“Água: saber mineral, científico e filosófico”




Ta com sede?






Temos sede de justiça, de abrigo, de afeto, de assistência humana plena, de liberdade, de vida. Entre tantas sedes a de água não se superpõe as outras, contudo, a eleição de um problema para extensão universitária nos coloca diante da necessidade de refletir sobre o drama da existência da vida. O planeta que chamamos Terra tem sua superfície com 70% ocupado por água, quando consideramos o superlativo da maior parte ser salgada, nos resta apenas 3% do total em água doce e, desses, 0,01% disponíveis para todos os nossos usos, devendo compartilhar com outros seres da natureza. Cada vez mais nossas crescentes demandas já projetam a reclamação para incorporar as geleiras e os reservatórios em subsolos muito profundos. O Brasil recebeu de graça os aqüíferos Guarani e Alter do Chão, pois nada fizemos para construí-lo, sendo portanto produto da genes do planeta. No século XIX não havia quem dissesse essa porção de ar pode se configurar em propriedade privada, já com a água desde tempos imemoriais os povos trataram de se apropriarem desta fonte para salvaguardar sua reprodução. A genealogia do cosmos pode ser observada em mitos ancestrais tal como os descritos por Raíssa Cavalcanti, no livro “Mitos da Água”, chegando a conquistar a condição de “Prima Matéria”, ao significar a compreensão do cosmo, do humano e suas muitas construções como o Bhagavad Gita ao conferir Deus como a origem do universo ‘cuja natureza há oito formas elementais: terra, água, fogo, ar, éter, mente, razão e consciência individual’, ou no modo como Tales de Mileto sustentou ser a água o elemento gerador enquanto outros buscaram em epifanias diferentes o ser da razão.Há muito saber da/na água. Ela está presente na consistência mesma dos nossos corpos, vertendo suor e lágrima expressamos o quotidiano da experiência de estar no mundo para finalmente sermos secos de nossa existência. Quando se nos apresenta o arranjo químico da água, dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio, não captamos toda dimensão dessa molécula, antes da ciência chegar nessa descrição já concebíamos a importância da perda da água ou da desidratação ao fragmentar os tecidos dos seres vivos e não vivos. A seca é um monumental fenômeno de reclamo de água ao demonstrar as rachaduras na terra similares ao serpenteado das rugas perdendo o viço em nossa pele.Aprendemos muito sobre a importância desta substancia, desta essência como manifesto ovo cósmico, Bramanda, chocado na superfície das águas (prakiti) temos o fundamento da civilização como explicação complexa da vontade de significar nossa existência no mundo. O deus eterno Kneph do Egito de outrora era simbolizado na serpente enroscada em um vaso de água; enquanto na cultura polinésia as ‘águas primordiais eram mergulhadas nas trevas cósmicas’ de lá só saindo por uma vontade manifesta do Deus supremo; o taoísmo renova esta condição primal ao elevar a água como sopro vital ‘(prana)’ como testemunha Glaucio Gonçalves Tiago.Se água assumiu um sentido nas muitas cosmogonias humanas, na ciência ela tornou-se um saber mineral, disposição inorgânica da organicidade físico-quimica da experiência manifesta em realidade. Sua utilidade é inquebrantável diante das necessidades econômicas e políticas como ficou patente nas guerras pelas fontes de água. Toda essa diversidade nos motiva a perceber usos e costumes para água no presente e para as gerações vindouras. A Agência Nacional de Águas – ANA, organismo do estado brasileiro, tem um tímido acervo de manifestações sobre a água, embora ambicioso, não chega sequer a ser uma enciclopédia alcançando perto de 70 exemplares como atesta seu sítio eletrônico. Estamos exatamente no meio da ‘Década Internacional de Ação “Água para a Vida, 2005-2015”, por isso a importância de criar uma sistemática de saberes sobre a ÁGUA de tal sorte possamos investir em produção acadêmica, bem como elaboremos boas práticas relacionadas ao tema, tornando a cultura do dia 22 de Março, Dia Mundial da Água, em intervenção crítica sobre nossas alternativas de desenvolvimento.Ungindo água como tema central da 13ª Jornada de Extensão da UFPA lhe dá uma credencial amais frente a tantas outras propostas integrantes do diferenciado e rico corpo de extensão universitária desenvolvido em nossa práxis acadêmica; nesta oportunidade estará ladeada com a exposição pública da diversidade de trabalhos cultivados na universidade. Esta postura se inscreve na trilha de dialogar com a Ilharga da universidade voltando-nos para as comunidades das ilhas ao redor de Belém, senão tão encantadas pelas águas como nós, também sabem água em sua vivencia.



Prof. Dr. Fernando Arthur de Freitas Neves


Pró-reitor de Extensão da UFPA(13ª Jornada de Extensão da Universidade Federal do Pará)


Evento Ocorrido dias 23, 24 e 25 de Novembro de 2010 em Belém do Estado do Pará